Conteúdo de credibilidade sobre o mercado imobiliário, por

As vantagens da economia colaborativa



Economia

Mesmo quem não sabe exatamente o significado do termo economia colaborativa, provavelmente já vem incluído essa nova forma de consumo e modo de vida em diversos pontos da rotina.

Bom, mas para esclarecer de vez todas as suas dúvidas sobre esse tema, neste post explicamos o que a economia colaborativa representa e quais são as vantagens em aderir a esse movimento para você, para a sociedade e para o meio ambiente.

O que é economia colaborativa

Também chamada de economia em rede ou economia compartilhada, a economia colaborativa é uma nova forma de consumir produtos, serviços e também de criar empresas e movimentos de solidariedade.

Na prática, os adeptos da economia colaborativa entendem que mais do que acumular coisas, o importante é dividi-las, ainda mais diante dos problemas ambientais e sociais que enfrentamos. É, portanto, uma nova forma de se fazer negócio, evitando o desperdício.

Esse termo surgiu pela primeira vez em 1978, mas foi apenas com o avanço da tecnologia e a da internet que ele ganhou força — mais especificamente com o surgimento do Ebay, em 1995, a famosa plataforma de compra e venda de produtos (novos e usados) de pessoas comuns.

Com a popularização e a modernização da internet, já em meados de 2008 e 2009, o fenômeno explodiu, pois hoje em dia fica muito mais fácil fazer trocas comerciais pela internet.

Exemplos de economia colaborativa não faltam: precisa se locomover de forma rápida e econômica? Chama o Uber. Quer se hospedar de forma mais barata em uma casa ou apartamento completos? Alugue pelo Airbnb. Precisa de ajuda para arrecadar dinheiro para o tratamento médico de um familiar ou para colocar em prática um projeto inovador? Crie uma campanha em uma plataforma de crowdfunding.

A economia colaborativa já penetrou em praticamente todos os setores da sociedade, como o de moda, transporte, educação, saúde, mercado imobiliário e bens de consumo.

Exemplos de economia colaborativa

A seguir separamos dois bons exemplos de economia colaborativa que já estão se popularizando aqui no Brasil e no mundo.

Coworking

O coworking é um espaço onde vários profissionais freelancers e pequenas empresas podem compartilhar os custos de aluguel de escritório e outros serviços.

Em outras palavras, se você não quer ou não tem verba o suficiente para manter sozinho o aluguel de um escritório, você aluga um espaço de coworking, seja de forma mensal, semanal ou para fazer trabalhos esporádicos.

E compartilhar o local de trabalho com outros profissionais, além de reduzir custos, também proporciona uma das vantagens da economia colaborativa: a troca de experiências, o networking e a possibilidade de surgirem boas parcerias de negócio.

Compartilhamento de residência

O Airbnb é um dos maiores exemplos práticos de compartilhamento de residência, pois a plataforma conecta proprietários de imóveis (casas e apartamentos) a pessoas que precisam se hospedar em determinado local a um bom custo-benefício.

Aliás, também existe a possibilidade de os clientes economizarem ainda mais em residências que alugam apenas o quarto, por exemplo, o que diminui o valor da hospedagem.

Essa forma de economia colaborativa desafiou profundamente a tradicional indústria hoteleira, assim como o Uber vem desafiando o tradicional mercado taxista. Isso porque essas novas empresas priorizam ainda mais a experiência do cliente, fazendo com que o custo-benefício se torne melhor.

As vantagens da economia colaborativa

  • Promove a sustentabilidade: a economia colaborativa garante que produtos sejam reciclados e reutilizados até os seus ciclos de vida completos, o que reduz desperdícios e danos ao meio ambiente.
  • Acesso a novas oportunidades de trabalho e geração de renda: ao alugar seu apartamento para hospedar turistas, utilizar seu próprio veículo para transportar passageiros, encontrar uma forma de gerar renda utilizando a internet como instrumento de trabalho e tantos outros exemplos, além de fortalecer a economia, também ajuda na redução das despesas das pessoas, aumentando a qualidade de vida;
  • A economia colaborativa cria um sentimento de comunidade: as trocas de produtos e serviços, mesmo que feitas utilizando a internet, ajudam a construir o senso de confiança em uma comunidade, ajudando os integrantes a se verem como iguais.
  • Estilo de vida mais simples, mas sem perder o conforto: um exemplo claro de como a economia colaborativa vem mudando a sociedade atual são os atuais apartamentos compactos. Eles vêm acabando, definitivamente, com aquela ideia de tempos atrás, em que quanto mais se tinha, maior era o símbolo de status e riqueza. Hoje, você pode viver muito bem e confortavelmente em espaços reduzidos, acumulando menos itens, menos preocupações sobre eles e mais experiências de vida;
  • Fácil acesso a capital: pequenos negócios podem conseguir acesso a capital para investimento por meio de financiamento coletivo. Isso sem falar nas campanhas de solidariedade para arrecadar dinheiro a pessoas necessitadas.

A economia colaborativa é uma tendência que, felizmente, veio para ficar. E você? Já utiliza esse movimento em sua rotina? O que acha dele?

Para complementar esse assunto, temos outro post falando sobre como a economia colaborativa está mexendo nas bases do mercado imobiliário — e você só tem a ganhar com isso. Até a próxima!


Compartilhe esse conteúdo nas redes:

PUBLICIDADE Absoluto – Pronto para Morar

Leia Também

Economia

Dicas para quem vai construir ou reformar

Fazer planos e imaginar o domicilio com a personalidade da família é bem comum, por isso optar por construir ou reformar uma residência...
Tecnologia

Internet: como usar a internet para comprar imóvel

Usar a internet para comprar imóvel é uma das atividades mais realizadas pelos atuais consumidores. O próprio Google recentemente...